segunda-feira, 2 de julho de 2007

AS MÃOS DE ÍCARA



Enzo Carlo Barrocco

 




 















As mãos de Ícara têm um tempo denso
de nódulos e lidas, sobrevivência;
os temporais abatem-se sobre o dorso
das mãos de Ícara, imensuráveis.

E dessas mãos absolutamente frágeis
almas sustentaram-se de pães e estrelas
pode-se vislumbrar em seus dedos aduncos
a fome cravada nos dias intranqüilos.

O tempo ainda pode abrir-se em pétalas
de rosas brancas a sua porta.
Quem sabe pétalas de fogo? Quem sabe?

Ainda assim, as sacrossantas mãos
de Ícara, engelhadas de angústia e risos
repousam à janela deste domingo azul.

Nenhum comentário: