quinta-feira, 6 de setembro de 2007

FLORES OBSCENAS

Enzo Carlo Barrocco



Sinto na boca o teu suco hormonal,
o clitóris rubro,
a fenda carnal.

E mãos e coxas e ancas
que brotam suor,
lasciva faina,
flores obscenas entre lábios víscidos.

Sinto na tua boca o meu suco hormonal
a glande rubra,
a haste carnal.

Um comentário:

Analuka disse...

Venho te convidar a ler um poema sensual de Glória Azevedo, que postei em meu blog, e encontro este teu, tão erótico, em que a cor e a seiva parecem escorrer e pulsar entre as linhas e letras!!!