sexta-feira, 19 de outubro de 2007

GUILLAUME APOLLINAIRE: UM POETA DE VANGUARDA


Guillaume Apollinaire
Roma 1880 – Paris 1918
Poeta, novelista, ensaísta e crítico de arte francês nascido na Itália


LAÇOS

Cordas feitas de gritos
Sons de sinos através da Europa
Séculos enforcados
Carris que amarrais nações
Não somos mais que dois ou três homens
Livres de todas as peias
Vamos dar-nos as mãos

Violenta chuva que penteia os fumos
Cordas
Cordas tecidas
Cabos submarinos
Torres de Babel transformadas em pontes

Aranhas-Pontífices
Todos os apaixonados que um só laço enlaçou

Outros laços mais firmes
Brancas estrias de luz
Cordas e Concórdia

Escrevo apenas para vos celebrar
Ó sentido ó sentidos caros
Inimigos do recordar
Inimigos do desejar

Inimigos da saudade
Inimigos das lágrimas
Inimigos de tudo o que eu amo ainda

Tradução de Jorge de Sena

Nenhum comentário: