quarta-feira, 23 de abril de 2008

DEIXEMOS QUE VENHA O AMANHECER

Enzo Carlo Barrocco




Um sopro leve,
um sopro de luz, dia acabado;
se há um verso para ser escrito
deixo que ele nasça
somente quando eu possa amanhecer.

E nesta madrugada
não precisarei pastorear as estrelas,
nem as flores,
pois a liberdade não pode ser ameaçada.

Não estou sozinho,
outras almas vagam pelos cômodos.
É simples
o que tenho a lhes dizer,
mas agora, não! Deixemos que venha o amanhecer.

Nenhum comentário: