segunda-feira, 7 de abril de 2008

JIRAU DIVERSO N° 21

JIRAU DIVERSO
Nº 21 – novembro.2007
por Enzo Carlo Barrocco

A POESIA CEARENSE DE SÉRGIO MATTOS

O Poema

DESAFIO

Escreve com silencioso espanto
Meus dedos possuem um sentimento comum:
Eles procurar as formas simples.

Minha ânsia e segredos repousam
em minhas mãos
– estoque de reflexos sentimentais –
Os mistérios foram sugados
e minha pena é minh’alma.
Quem poderá deter a vida
que corre em minhas mãos?


O Poeta

Sérgio Mattos, cearense de Fortaleza, poeta, ensaísta e jornalista, no convés da fragata desde 1948, participou ativamente dos movimentos literários da Bahia, onde está radicado desde 1959. Já participou de inúmeras coletâneas e alguns dos seus livros foram traduzidos para a língua inglesa. Seus artigos foram publicados no Brasil e no exterior. A poesia brasileira atual ganha em qualidade com o trabalho de Sérgio.

***

ESTANTE DE ACRÍLICO

Livros Sugestionáveis

Jackson do Pandeiro – O Rei do Ritmo (ensaio)
Autor: Fernando Moura e Antônio Vicente
Edição: Editora 34
A vida e a obra de Jackson do Pandeiro dissecadas em 416 páginas. Um trabalho de fôlego, mostrando, ainda, a trajetória da riquíssima música paraibana e nordestina. Um livro de ouro.

Cenas Brasileiras (crônicas)
Autora: Raquel de Queiroz
Edição: Editora Ática
Deliciosos contos os quais a autora achou por bem nomeá-los de crônicas por serem fatos acontecidos no seu passado. Belíssimos e comoventes acompanhados da lírica narrativa de Raquel .

O Suicídio Perfeito (novela)
Autor: Orlando Carneiro
Edição do Autor
Um excelente trabalho literário. Carneiro põe a nu almas dissimuladas, desconfiadas, inescrupulosas. O adultério é o principal tempero desta novela que tem um final surpreendente.

***

A FRASE DI/VERSA

Fique grato à vida, pois ela lhe dá a chance de amar, trabalhar, brincar e admirar as estrelas.
. Henry Van Dike (Germantown 1852 – Idem 1933) poeta, contista e ensaísta americano

***

DA LAVRA MINHA

LINHAS BARROQUIANAS
Poemas de um verso só
Nº 2

Enzo Carlo Barrocco

SAUDAÇÃO
Ave a vida, vento invariável!

LUAR DE ONTEM
Uma lua à madrugada ilumina o Anourá.

APARIÇÃO
Rosa surge; vestido esvoaçante.

BEETHOVEN
Um stradivarius – a luz, o belo, a música...

POESIA RIBEIRINHA
Uma lamparina. Poema num casebre ao largo

Nenhum comentário: