sexta-feira, 1 de agosto de 2008

JIRAU DIVERSO
Nº 28– junho..2008
por Enzo Carlo Barrocco


A POESIA SUL-MATO-GROSSENSE DE GERALDO RAMON PEREIRA

O POEMA

VERSO E REVERSO

Luz de Deus ou felicidade pura
- Como pura é a candura do meu verso -
Foi encontrar-te, ó santa criatura,
Na textura complexa do Universo!

Procurei-te, amor, como quem procura
Na moeda da vida o seu reverso...
E no meu ser cinzelaste uma escultura
Em que, se Deus é frente, és tu o verso!

Pois me trouxeste tão sublime afeto,
Que eu, já do amor descrente e vil ateu,
Reencontro o amor em ti e tão completo,

Que eis-me não mais desiludido e triste:
O mesmo amor que em ti me reviveu,
Me fez de novo crer que Deus existe!

O POETA

Geraldo Ramon Pereira, sul-mato-grossense de Maracaju, poeta, contista, cronista, romancista e compositor, no convés da fragata desde 1939, é um ativista cultural que percorre vários caminhos literários, inclusive as trilhas da música. Sua obra escrita inclui alguns livros de poesias, um romance e um livro de contos e crônicas. Geraldo é ocupante da cadeira n° 39 da Academia Sul-mato-grossense de Letras. No meio musical, já que também é violeiro, Geraldo é conhecido como “Gê da Viola”.

ESTANTE DE ACRÍLICO

Livros Sugestionáveis

Chão D´Água (poesias)
Autor: José Ildone
Edição: Cultural Cejup
A poética Amazônica nos versos deste livro mostra a densidade dos textos de Ildone. “Chão D´Água” é a alma do povo da região do salgado paraense.

Convite ao Desespero (Romance)
Autor: Esdras do Nascimento
Edição: Multimais Editorial
A tragédia nordestina da miséria e da fome, agora sob o olhar perspicaz de um piauiense que mais do que ninguém convive com este lamentável drama.

Uma Mulher Não Chora (Romance)
Autora: Rita Ferro
Edição: Editora Lacerda
Todas as situações por quais passa uma mulher de meia-idade. Problemas que vão aparecendo e cotidianamente sendo enfrentados. O romance português por Rita Ferro.

***

A FRASE DI/VERSA

Quanto mais se é feliz, menos se presta atenção à felicidade.
- Alberto Moravia (Roma 1907 – Idem 1990) poeta, contista, novelista e romancista italiano


DA LAVRA MINHA

Entremeio

Enzo Carlo Barrocco

Sumarenta boca
vertical,
língua delgada entremeio
aos lábios.

Uns pêlos
na campina vasta,
erva rasteira,
prestobarba e espuma.

Lírio impudico
Sob o tempo
claro, sobre a textura
lubricidade.

Nenhum comentário: