sexta-feira, 22 de agosto de 2008

JIRAU DIVERSO Nº 30

JIRAU DIVERSO
Nº 30– agosto.2008
por Enzo Carlo Barrocco

A POESIA JAPONESA DE MATSUÔ BASHÔ

O POEMA

TRÊS HAI-KAIS

No vendaval do outono
escuto o gotejo da chuva
em uma bacia na noite.

**

A libélula –
sem conseguir se agarrar
a uma folha de capim.

**

Por este caminho
ninguém mais passa –
tarde de outono.

O POETA

Matsuô Manefusa, o Bashô, poeta japonês (Yedo, atual Tóquio, 1644 – Osaka 1694) se notabilizou por ter criado um gênero literário até então desconhecido: o hai-kai. Andarilho que foi, Bashô passou por várias cidades vivendo do ensino da poesia. Bashô é cultuado em várias partes do mundo, no ocidente, inclusive, por ter sido o precursor desse gênero poético extremamente lírico e sucinto. O Mestre, como é conhecido, foi um revolucionário na literatura mundial por ter decodificado e estabelecido os cânones do tradicional hai-kai japonês.

ESTANTE DE ACRÍLICO

Livros Sugestionáveis

Os Igaraúnas (Romance)
Autor: Raimundo de Morais
Edição: Roswitha Kempf / Editores
O romance histórico de Morais retrata Belém e arredores da primeira metade do século XX (com algumas belas fotos). A narrativa deste livro faz de Raimundo uma excelente descoberta.

Octaedro (Contos)
Autor: Julio Cortázar
Edição: Civilização Brasileira
A criatividade de Cortazar em sua magnitude. O cotidiano, o Banal, o extraordinário sob a ótica de um escritor
talentoso e refinado.


Restos de Nós – Esboços Poéticos
Autor: Osmard Andrade Faria
Edição: Editora LLoyd
A poesia de Osmard sob a sua particular perspectiva da vida e do mundo que o cerca. Alguns textos curtos, mas densos; outros longos, mas inteligentes. É de boa cepa a poesia de Osmard.

***

A FRASE DI/VERSA

De dez pessoas que falam de nós, nove falam mal; e a única que fala bem o faz desajeitadamente.
. Antoine Rivarol (Bagnols 1753 – Berlim, Alemanha 1801) físico e humanista francês

DA LAVRA MINHA

A Rua Afastada

Enzo Carlo Barrocco

As abóboras crescem no
terreno baldio.
Meninos brincam
entre a lama e o lixo.
Que perigo!

Cacos de vidros,
garrafas plásticas,,
um cinescópio de televisão
e toda a sorte de detritos.

A cidade fala de calçadas,
asfalto,
alamedas claras.
A cidade, meus amigos,
não reconhece esta rua distante.

Nenhum comentário: