quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

A ESPECIALÍSSIMA POESIA DE RUY ESPINHEIRA FILHO


Ruy Espinheira Filho

(Salvador 1942)

Poeta, contista, novelista, romancista, cronista e ensaísta baiano



Soneto da triste fera

a Florisvaldo Mattos

Quanto mais o olhar acera,
recrudesce a noite vasta,
restando apenas à fera
as trevas em que se engasta.

Choramos, era após era,
esta carência que pasta
entre escombros de quimera
tudo aquilo que não basta

a nós, esta triste fera
que vê só o duro luzir
desta, mais fera que a fera,

condição que a vergasta:
corpo - o que nos vai trair;
e alma - o que nos devasta!



Nenhum comentário: