terça-feira, 14 de abril de 2009

TEATRO DA PAZ

Enzo Carlo Barrocco



Ergue-se no tempo de mil vozes
o Teatro
e, súbito, o silêncio secular;
mãos de outrora
que lhe marcaram rubras pedras.
Carlos Gomes vaga esguio pelos alpendres.

A paz revela-se sob suas décadas.
Faces vetustas de mil risos
Que se perderam.
O espetáculo és Tu, templo de luzes.

Nenhum comentário: