terça-feira, 19 de maio de 2009

O JEJU


Miniconto
por Enzo Carlo Barrocco




Paulinha com uma bacia de roupa passou para o igarapé. Zé Antônio que observa a seguiu. Deu a volta e escondeu-se para cima do barranco atrás de um tronco. Esperou e esperou até que Paulinha terminasse tudo. Por fim a moça tirou toda a roupa e desapressadamente mergulhou. O Zé, evidentemente, tinha medo de ser flagrado ali, pois seria eternamente chamado de Jeju (peixe abundante nos rios amazônicos), apelido que tomam os que são pegos nessa situação. Que corpo lindo! Após, saiu da água para se ensaboar. Sem querer, Zé Antônio fez um ruído; Paulinha, com o sabão no corpo, levantou a cabeça perscrutando em volta. Devia ser um lagarto qualquer, pensou. Zé Antônio enlouqueceu quando Paulinha ensaboou delicadamente o sexo; afastara até um pouco a perna. O desajustado Zé ouviu vozes para o caminho de cima e, mais que depressa, esperou ao largo. Quando voltou Paulinha se fora. Broco, o cachorro do velho Bena, à beira d´água, saciava a sede.




Nenhum comentário: