quinta-feira, 23 de julho de 2009

A CASA EM QUE O POETA MORA


Enzo Carlo Barrocco




Tenho pouco:

um fogão velho,

uma cadeira ao canto,

uma rede e um lençol puído.


Lá fora flores

num jardim que plantei cantando.


Nenhum comentário: