segunda-feira, 13 de julho de 2009

DA LAVRA POÉTICA DE ABGAR RENAULT


NA RUA FEIA


Abgar Renault
(Barbacena 1901 - Rio de Janeiro 1995)


Na rua feia,
de casas pobres,
morreu o filhinho daquela mulher
que lava o linho rico
de um bairro distante.
Morreu bem simplesmente,
assim como um passarinho.
O enterro saiu...lá vai...
um caixãozinho azul
num carro velho de 3a. classe.
Atrás dois autos. Dois.

A tarde irá pôr luto
na rua feia,
de casas pobres?

Garotos brincam de esconder
atrás do muro de cartazes.
Lá no alto
vai-se abrindo grande céu sem mancha
cruzeiro-do-sulmente iluminado.


Nenhum comentário: