quinta-feira, 27 de agosto de 2009

LIBÉLULAS RUBRAS - 14ª TRÍADE

Enzo Carlo Barrocco


CABEÇA

Que já fumei,
que já fumei...
Canabis aflora a pele,
consciência lívida,
eu sei lá!..
Duas luas num céu de viés.


SOLO

Quem gosta de andar em bando é macaco,
eu, particularmente, não!
Sou um pássaro solipso,
ave noturna que arrisca,
meticulosamente,
um vôo.


DEPOIS NÃO DIZ QUE NÃO TE AVISEI

Devias ler meu poema?
Não, não devias!
Árvore morta à margem da estrada,
lua diurna sobre a tarde pálida.
Meu poema é uma lâmpada queimada,
lago formado nas depressões das britas.

Nenhum comentário: