quinta-feira, 1 de julho de 2010

SUICÍDIO

Enzo Carlo Barrocco



Na amurada do viaduto
uma mulher se escora; olha
para baixo. O movimento dos carros
nessa hora
é estúpido.

A bolsa colada ao peito; parece que chorou.
Observei-a por uns dez minutos.
Num átimo desapareceu.
Ouvi uma pancada seca. Na queda uma caçamba
betoneira a despedaçou no asfalto.
Eu também me fiz de curioso.


Nenhum comentário: