quinta-feira, 14 de outubro de 2010

UM SONETO A RAIMUNDO CORREIA



Enzo Carlo Barrocco


Eu quero igual a Raimundo Correia
um verso muito claro; um vindouro
soneto que brandamente se leia
e que se sinta um gozo duradouro.

Assim como uma brisa delicada
que necessita de agilidade
do mesmo modo o verso; revoada
de pássaros em perfeita unicidade.

Portanto, um poema muito afável
pretendo que se faça neste ensejo.
E pelo amor de Deus não sou insano

ao mencionar o nome de Raimundo,
é que não tem poeta mais fecundo
que esse escritor parnasiano.

Nenhum comentário: