quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

MANHÃ SOBRE A BAÍA

Enzo Carlo Barrocco

Um barco solitário na baía
acorda-me todo dia,
do alto do meu prédio amanhecido
barco, solidão, poesia.

Estico o dedo vário
e longe toco o barco imaginário,
do alto do meu prédio amanhecido
meu poema solitário.

Um barco moroso e solitário
navega à poesia
do alto do meu prédio imaginário
luz, velame, baía.

Nenhum comentário: