sexta-feira, 4 de março de 2011

GERMINAL

Enzo Carlo Barrocco



As portas abrem-se, surge volátil
desavisada
estrela que em mim procria luz.

Quem poderá desacendê-la? Fácil
madrugada
que sossegada supus.

Minha mente, pois que tátil,
enluarada,
esparge nesta lauda mel e pus.

Nenhum comentário: