terça-feira, 1 de março de 2011

RIMBAUD: UM GÊNIO NO JIRAU


Da mente genial de Arthur Rimbaud, poeta francês
Estrela da Natividade: Charleville 1854 
Cruz da Eternidade: Marselha, 1891
 
 
 
No Cabaré-Verde
às cinco horas da tarde
 
Depois de oito dias, larguei as botinas
Pelo caminho. Eu entrei em Charleroi.
— No Cabaré-Verde: pedi torradas finas,
Manteiga e presunto, que é frio o lugar.
 
Feliz, estiquei as pernas sob a mesa
Verde: e contemplei os toscos motivos
Da tapeçaria. — E foi uma beleza
Quando a vi, enormes tetas, olhos vivos,
 
É ela! Não é um beijo que a apavora!
Risonha, trouxe a refeição na hora,
O presunto tostado, num belo prato,
 
O presunto róseo e branco perfumado
Pelo alho — e encheu-me o copo ávido
De espuma brilhante como um raio de sol.
 

Nenhum comentário: