quinta-feira, 2 de agosto de 2012

LUAS DE AJURUTEUA - Canto nº 1


Enzo Carlo Barrocco


JIRAU DE POEMAS
Tenho um jirau de poemas
dentro da concha da mão
onde pousam pirilampos,
pássaros, rios, solidão...


A TAPERA E O TEMPO
No chão da velha tapera
assomam na noite vaga
sombras do ontem dispersas
que o tempo moroso apaga.


O CAMINHO
Neste meu caminho longo,
com meus sapatos azuis,
levo um cântaro de prata
cheio de sangue e de pus.


COISAS E SÓIS
Na face longa do tempo
perpassam coisas e sóis,
lívidos corpos de ontem,
as almas de todos nós.


VERDADE
Que Deus existe é verdade,
para o horror dos ateus,
pois esta parte do cosmos
é a boca fulva de Deus.


Nenhum comentário: