terça-feira, 8 de janeiro de 2013

NUNCA MAIS AS BRANDAS ALVORADAS


Enzo Carlo Barrocco

















Acaso eu partisse amanhã -
A longa noite me abarcaria,
À proa de um batel grotesco
Desapareceria treva adentro.

Nunca mais esta luz vibrante
Contra os dorsos das minhas
Mãos instigantes. Nunca mais,
nunca mais as brandas alvoradas.

Nenhum comentário: