quarta-feira, 3 de julho de 2013

O POEMA TÃO-SOMENTE

Enzo Carlo Barrocco














Eu sabia que tinhas tempo
Contavas as estrelas que surgiam
Sobre o istmo,
Despreocupadamente.
A brisa, o marulho, o cheiro do mar
Denotavam a paz que te cercava.

A madrugada, então, deslizava
Lentamente
Carregando em seu bojo
Os elementos.

Nada sei de estrelas e de noites
Apenas este poema
Num obscuro ponto da paisagem.


Nenhum comentário: