quinta-feira, 21 de agosto de 2014

REDONDILHAS AO POENTE

Enzo Carlo Barrocco














A nambu canta distante,
nos confins da capoeira,
a noite já se aproxima,
a tarde desce ligeira.

São cinco e quarenta e cinco
desta tarde moribunda,
a nambu canta de novo
à margem da noite funda.

Por fim a noite morosa
desata sobre os viventes,
a natureza sagaz
fecunda novas sementes.


Nenhum comentário: