quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

LIBÉLULAS RUBRAS - 21ª TRÍADE



Enzo  Carlo Barrocco 
 

POEMAS PELAS SOMBRAS

Faço meus poemas
pelas sombras
com uma velha agenda sobre as pernas.
Longe sobre as largas pastagens
o horizonte se arqueia,
uma ostra que se fecha para sempre.


INSISTÊNCIA

Viverei um minuto a mais,
insistentemente, sobre este solo árido,
embora as mazelas,
a democracia disfarçada
e os poucos recursos monetários
nas profundezas da conta.


GUERRAS DO FIM DO MUNDO
Há uma guerra se desenvolvendo
nos desertos do mundo;
nações se desmoronam,
famílias se esfacelam sob escombros.
Num céu noturno
ogivas se aparentam a meteoros.

Nenhum comentário: