quarta-feira, 9 de julho de 2008

LAVRA

Trago aqui
uns poemas ordinários
no recôncavo das mãos,
visto a dificuldade da empreita,
sobretudo as insípidas palavras

E nos brancos eitos da minha lavoura,
sintáticos arados,
uns papéis escritos ontem,
poderás, sob estes sóis vocálicos,
colhê-los acaso depará-los.

Nenhum comentário: