terça-feira, 27 de abril de 2010

UM HOMEM QUE CONHECI NA COLÔNIA


Enzo Carlo Barrocco



Lavrador de Café, Cândido Portinari, 1934
Pintura a Óleo em tela, 100x81 cm
Museu de Arte de São Paulo Assis Chateubriand


Andava à noite
nos caminhos soturnos,
nas estradas ermas
da velha colônia.
Nas noites chuvosas de março
a camisa surrada, as sandálias roídas,
a calça arregaçada acima dos joelhos.

Medo dos seres fantásticos?
Não tinha!
Uma precisão na noite
a qualquer hora e tempo.

Os igapós - cheios de lendas –
Medo real só de cobras
e outros bichos peçonhentos.
Tinha de pescar
no método do facho.
O homem não necessita de muito,
necessita apenas
de sua probidade.


Nenhum comentário: