terça-feira, 6 de dezembro de 2011

UMA NOITE EM CADA HOMEM

Enzo Carlo Barrocco


















A tarde cai ternamente,
o horizonte se avermelha,
um tíbio sol que se esguelha
no peitoril do ocidente.

O dia já se consome
pelas paisagens rurais
começará logo mais
uma noite em cada homem.

Despertam seres noturnos,
que se alastram a cada hora
não obstante, agora

o silêncio toma conta
da noite que já desponta,
destarte não se demora.


Nenhum comentário: